BLOG

Luis Gustavo Morato Leite

Restauração em resina em raiz exposta pode complicar o quadro.

restauração em resina em raiz dentária exposta

A restauração em resina utilizada para recobrir raiz dentária exposta pode ter efeito contrário do esperado e retrair ainda mais as gengivas. Conheça as indicações, prós e contras desta técnica para eliminar a sensibilidade dental, recuperar a estética do sorriso e evitar desgastes radiculares em gengivas retraídas.

 

 por Luís Gustavo Morato Leite, dentista graduado e especializado em próteses dentárias pela UFRGS, em Porto Alegre.

 

 

Gengiva retraída, um problema muito além da estética do sorriso.

 

A retração gengival é uma das principais causas para consultas ao dentista e tamanha preocupação tem, sim, motivos para tirar o sono de muita gente. Caracterizada pelo recuo das gengivas e exposição prematura das raízes dentárias, este problema exige diagnóstico e tratamento adequado para, inicialmente, estabilizar a progressão da recessão – que pode levar até mesmo à perda dentária em casos mais severos da condição.

 

Atualmente, um dos principais focos dos estudos científicos e da indústria de materiais odontológicos de ponta é a regeneração da estrutura periodontal perdida que resulta na retração das gengivas. Até o momento, infelizmente, as terapias disponíveis estão direcionadas mais à recuperação estética do sorriso do que à reconstrução completa do periodonto – um desafio, por ora, ainda distante da clínica odontológica do dentista especializado em periodontia.

 

retração gengival problemas
Gengivas retraídas podem servir de pontos de retenção de placa bacteriana e atuar como fator extra para a progressão da condição recessiva.

 

 

A restauração em resina no recobrimento de raiz dentária exposta.

 

A ideia para recobrir raízes expostas com restaurações dentárias em resina é antiga. Aliando a facilidade e rapidez do tratamento com custos baixos, o procedimento vem de encontro às necessidades estéticas e alívio de dores e sensibilidade aumentada pela aplicação de uma camada espessa de resina sobre as raízes dentárias. De fato, quando bem realizada, o recobrimento com resinas é eficiente e até mesmo indispensável em várias situações.

 

O procedimento restaurador é simples. Após a limpeza e desinfecção das raízes dentárias, o dentista aplicada uma a duas camadas de adesivo sobre a superfície radicular, seguido de camadas de resina composta com cores semelhante ao dente em tratamento. Fio retrator e borrachas para isolamento são também utilizados para melhorar a adaptação das restaurações, um ponto importante para evitar o acúmulo de placa bacteriana.

 

Conheça as principais vantagens da restauração em resina no recobrimento de raiz exposta:

 

✓ eliminar áreas de retenção da placa bacteriana;

 

✓ restabelecimento parcial da estética do sorriso;

 

✓ bloqueio de dores e sensibilidade dentinária aumentada;

 

✓ diminuir o trauma das gengivas durante a higinene oral com escovas dentárias;

 

✓ impedir novos desgastes em raízes dentárias.

 

restauração dental em resina gengiva retraída
A técnica com restauração em resina para recobrimento de raiz exposta após isolamento das gengivas.

 

 

Restauração em resina desadaptada pode aumentar ainda mais a retração gengival.

 

A técnica com restauração em resina sobre raiz exposta exige cuidados dobrados durante o procedimento. Falhas na adaptação do material junto às gengivas frequentemente resultam em desnível entre a resina e o dente, um fator sério para acúmulo da placa bacteriana – um caminho livre para infiltrações por cáries dentárias, gengivite e periodontite. E quando isto acontece, os riscos para aumento da recessão gengival é ainda maior.

 

Falhas em restaurações dentárias em resina junto a gengivas dificilmente são diagnosticadas pelo próprio indivíduo. Na maioria das vezes, o sangramento gengival que aparece durante a escovação ou de forma espontânea, evidência de atividade de doença gengival com risco para agravamento da recessão, não é motivo para a busca por tratamento específico – um fato que só agrava ainda mais a condição. Gengivas excessivamente avermelhadas, sangrantes e inchadas exigem, em qualquer condição, a ida do imediata do paciente ao dentista para sequelas irreversíveis como as gengivas retraídas.

 

 

Cirurgia plástica gengival, uma alternativa mais estética – e inteligente.

 

A cirurgia plástica gengival para recobrimento de raiz dentária exposta é o tratamento ideal para reverter gengivas retraídas. Os resultados da terapia, semelhantes ao recobrimento radicular com resinas dentárias, são mais estéticos e eficientes na proteção das raízes dentárias e prevenção da recessão.

 

Apesar das inúmeras técnicas disponíveis para tratamento da recessão das gengivas, a plástica gengival tem limites claros com relação às gengivas que podem ser efetivamente recuperadas pelo procedimento. Exemplos disso são as recessões teciduais decorrente da periodontite, uma infecção causada pelo acúmulo de placa bacteriana e que traz prognóstico desanimador ao recobrimento cirúrgico da raiz dentária exposta.

 

As principais indicações da cirurgia plástica gengival são para as recessões de origem traumática, como as decorrentes do excesso de pressão das cerdas das escovas dentárias contra as gengivas. Na maioria destes casos, quando ainda nas fases iniciais da recessão tecidual, a papila gengival (tecido que está localizado entre os dentes) está intacta, uma condição essencial para o sucesso do recobrimento das raízes dentárias expostas.

 

plástica gengival retração gengival
Papila gengival: a presença de osso e gengiva localizada entre as coroas dentáirias é essencial ao recobrimento completa da raiz dentária exposta

 

 

Enxerto gengival é indicado para indivíduos com gengivas finas e delicadas.

 

Entre as técnicas disponíveis com alternativa à restauração em resina sobre raiz dentária exposta está a plástica gengival com enxertos de gengiva. Ainda pouco utilizada dada a exigência de treinamento especializado, este tratamento é essencial em várias ocasiões como terapia de recobrimento ou prevenção da recessão tecidual.

 

A principal indicação do enxerto gengival no tratamento da recessão tecidual é aumentar a espessura das gengivas em indivíduos com o biotipo fino e delicado. Além de melhoras os resultados finais do procedimento cirúrgico, a técnica diminui os riscos para a recessão em pacientes submetidos a tratamentos com aparelho ortodôntico e melhora a resistência ao trauma gerado durante o uso de escovas dentárias e fio dental durante a higienização dos dentes.

 

Os enxertos gengivais podem ser provenientes de várias fontes. O mais eficaz é o obtido do próprio paciente – o palato é o local mais indicado para a coleta deste tipo de tecido. Materiais sintetizados ou fabricados a partir de tecidos animais também estão disponíveis para facilitar o tratamento em indivíduos cujas gengivas, de tão finas e delicadas, impossibilitem até mesmo a coleta tecidual.

 

Já a cirurgia plástica gengival sem enxertos é indicada para situações controladas em que as papilas gengivas estão intactas e são espessas o suficiente para manterem-se em posição adequada após a cirurgia realizada. De qualquer forma, as alternativas à restauração em resina no recobrimento de raiz dentária exposta devem ser a primeira opção tanto na recuperação estética quanto funcional dos dentes.

 

cirurgia plastica gengival com enxerto gengival
Gengivas finas: a técnica de cirurgia plástica gengival sem exerto traz prognóstico desanimador.

 

 

Restauração dental em porcelana é opção mais duradoura.

 

Uma alternativa à plástica gengival para recobrimento de raiz dentária exposta é a restauração dental em porcelana. Também conhecida com técnica onlay, o procedimento tem as mesmas indicações da versão em resina da terapia restauradora, porém com durabilidade superior.

 

As desvantagens da restauração dental em porcelana ficam por conta do preço mais elevado, número maior de consultas e resultados estéticos pouco superiores à técnica com resina, este último, o principal motivo para as raríssimas situações em que as cerâmicas apresentam indicações firmes.

 

 

Quando não fazer nada é a melhor opção.

 

A retração gengival leve é parte da vida da maioria dos indivíduos. Enquanto para alguns ela aparece de modo mais severo devido ao trauma de escovação ou sequela de tratamento com aparelho ortodôntico, para outros é o resultado da perda óssea característica da periodontite, um doença em que o fator genético tem um peso importante na severidade com que a recessão aparece. Mas para a maioria dos casos leves, não fazer nada pode ser o melhor tratamento.

 

A sensibilidade dentinária pode ser bloqueada total ou parcialmente após a aplicação de agentes dessensibilizantes. O importante ao paciente com raízes dentárias expostas não recobertas com restaurações em resina ou por cirurgia plástica gengival é saber que a condição excessiva facilita o acúmulo de placa bacteriana e exige cuidados redobrados para não provocar mais desgastes à superfície das raízes dentárias durante a escovação dos dentes.

 

 

Gengivas retraídas: prevenção.

 

A preocupação com a continuidade da recessão gengival é um dos principais motivos para consultas odontológicas. Na maioria das vezes, o indivíduo só percebe o problema quando vários dentes já estão afetados pelo problema, e em condições já avançadas. Mas a coisa mais importante para saber sobre a condição recessiva é que dá, sim, para prevení-la – e não é preciso muito para frear a situação. Veja o que fazer para manter suas gengivas saudáveis e livres de retração:

 

utilize escovas dentárias com cerdas macias e recomendadas pelo seu dentista;

 

cuidado para não traumatizar as gengivas ao utilizar o fio dental e escovas interdentárias;

 

não utilize substâncias químicas ou naturais sobre gengivas retraídas não recomendadas pelo dentista;

 

estabeleça uma frequência diária de higienização oral eficaz para remover completamente a placa bacteriana;

 

verifique a adaptação da restauração em resina utilizada no recobrimento da sua raiz dentária exposta;

 

diabéticos e fumantes são mais propensões à recessão gengival e exigem consultas quadrimestrais ao dentista;

 

piercings presos em lábios e língua devem ser removidos para evitar a retração gengival e lesões pré-cancerígenas.

 

 Ainda em dúvida? Consulte nosso guia de tratamentos:

Saiba mais sobre o assunto com estes posts:

Voltar para o blog